Caso Clínico: Por que as pessoas dependem de mim financeira e emocionalmente?

Mulher de 37 anos, solteira.

Foto: reprodução
Foto: reprodução

A paciente veio ao meu consultório querendo entender por que seus entes queridos (namorado, mãe, dois irmãos e as famílias deles) dependiam dela financeira e emocionalmente.

Em relação ao namorado, havia uma ligação muito forte entre os dois, o mesmo ocorrendo também com sua mãe, que a protegia em excesso. Por fim, queria saber por que tinha medo de ter filhos. 
Após passar por duas sessões de regressão, na terceira e última ela me relatou: Sinto como se estivesse num túnel correndo muito rápido… Vejo imagens, elas passam muito rápido.

– Veja onde você vai parar – peço à paciente.
Não paro… Agora aparece um monte de flashes… Vejo uma luz dourada do meu lado direito. É uma luz que transmite calor, sensação de paz… ela é gostosa (paciente estava descrevendo a luz de um ser espiritual).

– Pergunte para esse ser espiritual se ele tem algo a lhe dizer?
“Ele diz que é o meu mentor espiritual, mas que eu estou duvidando, que não estou acreditando no que ele está me dizendo”.

– Pergunte-lhe de onde vem sua dúvida, seu ceticismo?
“Diz que algumas pessoas, de determinadas religiões -pai de santo, padre, pastor- usaram da minha boa fé, e que por isso não acredito mais nesse lado espiritual. Afirma que ele tem muitas coisas para me dizer, mas que não estou deixando por conta dessa dúvida, dessa desconfiança. Ele pede para eu abrir o meu coração e sentir mais, pois preciso saber, entender muitas coisas a meu respeito. Pede também para olhar mais para o meu interior. (pausa).
Agora, vejo uma cidade muito antiga, de ruas estreitas. É dia, tem um monte de gente passando, carregando cestos, água, usam um capuz na cabeça. Na verdade, é um mercado, uma feira. A cena passa em preto e branco. Eu uso uma capa preta. É uma vida passada. As pessoas circulam, mas não olham para mim. Sou bem velhinha. Acho que elas têm medo de mim, como se eu pudesse fazer mal para elas”.

– Que mal? – Pergunto à paciente.
“Sei coisas que elas não sabem, sou diferente… Mexo com ervas, curo as pessoas. Por isso que elas têm medo de mim. Sei coisas que elas não sabem. Mas elas me procuram quando precisam de alguma coisa”.

– Que coisa? – Pergunto novamente à paciente.
“São coisas que elas não conseguem resolver. Na verdade, eu pratico o bem e o mal, mas não os diferencio; o que me pedem, eu faço. É assim que vivo, elas me pagam pelo meu serviço. (pausa). O meu mentor espiritual me esclarece que o bem e o mal são coisas relativas. Muitas vezes, aquilo que parece maléfico, pode não ser, porque tudo na vida tem um motivo, uma razão de ser. Fala que eu fui um instrumento da espiritualidade nessa vida passada. Afirma que existem forças que a gente não compreende, mas que sempre fui um instrumento dessas forças. Por isso, nem sempre o mal é mal, e o bem é bem. Há coisas que precisam ser feitas. Diz que eu tinha uma grande ligação com o plano espiritual, e que hoje essa ligação me foi negada como uma proteção para escapar de meus inimigos. Ele diz que isso explica por que sou tão cética, mas que nesse momento esse ceticismo é uma bênção para ficar afastada dos poderes, da ligação estreita que tinha com o plano espiritual. Por isso, na vida atual, preciso aprender a viver sem essa ligação estreita e com os poderes que tinha naquela vida passada. Ele me esclarece que esses poderes me foram tirados também para o meu aprendizado”.

– O que você precisa aprender?
“Preciso aprender que não posso controlar, dominar todos que estão à minha volta. Revela que eu fazia isso nessa existência passada quando era uma bruxa. Diz que preciso aprender que a doçura tem mais força, mais poder, e que ajoelhar-se não é perder, mas é um ato de humildade. Doar faz parte disso e é dessa forma que vou aprender a ser mais humilde. Ele me fala: – Você não sabia o que era errado, mas fez também muitas coisas certas. Por isso, tem tanto amor ao seu redor. Entretanto, precisa aprender a acreditar mais em si e lutar menos contra a vida. É preciso deixar que sua intuição, a voz de sua alma fale mais alto, pois a ligação com o plano espiritual está dentro de você; porém, quero lhe lembrar novamente que essa ligação não ocorrerá tão facilmente como antes’. (pausa). 

– Pergunte ao seu mentor espiritual o que tem de fazer…
“Ele diz que preciso esperar, que as coisas irão vir como um novelo de linha, e vou aprender a desembaraçá-lo. Diz ainda: –Uma das suas provas nessa vida terrena é a paciência, é não saber do futuro, é aprender a dominar seu defeito que era controlar tudo, inclusive a vida. (pausa). Eu perguntei ao mentor se estou precisando acreditar mais em Deus…
Ele fala que preciso acreditar em mim mesma, porque duvido daquilo que sinto, e que não confio na minha intuição”.

– Pergunte-lhe por que os seus entes queridos dependem de você financeira e emocionalmente…
“Ele me responde que é um resgate cármico do mal que lhes fiz no passado, mas que não vai entrar em detalhes do que fiz”.

– Pergunte ao seu mentor espiritual qual o seu verdadeiro propósito de vida na encarnação atual…
“Acreditar, ter fé, não duvidar de que existe uma força maior ao nosso redor…  Eu lhe pergunto por que essa ligação tão forte que tenho com o meu namorado e com a minha mãe; em relação ao meu namorado, ele diz que ainda vou descobrir e com a minha mãe é porque ela tem muito medo de me perder. Afirma que numa vida passada ela me perdeu quando ainda eu era criança. Fui tirada dela e nunca mais me encontrou. (pausa).

– Pergunte-lhe se você está realmente ajudando os seus entes queridos ou prejudicando-os em suas aprendizagens?
“Ele me responde: – Seus entes queridos vão estar na sua vida ainda por um tempo. Quando não for mais necessário, não irão mais depender de você. O tempo de cada um deles é diferente, mas certamente terá um fim”.

– Por que o medo de ter filhos? 
“Porque têm outras coisas para eu cuidar, pois na encarnação atual não vim para ter filhos. Mas diz que existem outros tipos de filhos, ou seja, os não biológicos. Revela que os meus irmãos de hoje são os meus filhos espirituais (são filhos de sua família de origem do plano espiritual, de onde vieram antes de reencarnarem). Por isso, eles buscam o meu apoio, a minha ajuda. Finaliza dizendo que tenho ainda um longo caminho a percorrer na existência atual”.

– Qual é o nome de seu mentor espiritual?- Peço à paciente.
“Ele gostaria que o chamasse apenas de Irmão, pois esclarece que nomes são rótulos que outrora carregamos e que nos foram dados em várias experiências encarnatórias”.

Anúncios