Caso Clínico: Por que não cresço profissionalmente?

Homem de 35 anos, divorciado.

Foto: reprodução
Foto: reprodução

Paciente veio ao meu consultório querendo entender por que não ascendia, não era promovido, não crescia em sua carreira profissional. Divorciado, queria entender também por que em seus relacionamentos afetivos, as mulheres se desinteressavam por ele e acabavam se afastando, rompendo o relacionamento. E no trabalho se sentia perseguido e incompreendido pelos colegas e chefia. Desta forma, cultivava com freqüência sentimentos de rejeição, autopiedade, inferioridade, vitimismo e persecutoriedade, pois achava que todo mundo queria prejudicá-lo. Por fim, queria saber também por que não concluía o que começava e tinha tanto medo, fobia de altura.

Depois de duas sessões de regressão, na 3ª e última sessão, após passar pelo portão (nessa terapia, sempre utilizo como recurso técnico um portão, isto é, um portal, que separa o passado do presente, o mundo espiritual do mundo físico), ele me relatou: Vejo um abismo… É um lugar muito escuro (o paciente estava descrevendo o plano espiritual inferior, as trevas). (pausa). Estou procurando alguém… Acho que é uma mulher, mas não a vejo (é comum também nessa terapia, os pacientes trazerem algo de forma intuitiva, ou seja, em impressão, sensação, e não necessariamente de forma visual).

– Vamos fazer juntos a oração do perdão, emanando – através das mãos – a luz dourada de Cristo para essa mulher, esse ser espiritual – Peço ao paciente. (pausa). Ela foi para a luz… Usava uma roupa preta (os habitantes das trevas usam roupas, mantos, túnicas pretas, diferentemente dos seres de luz, cujas roupas normalmente são brancas) e ao emanarmos a luz dourada, essa mulher chorava muito…Eu a abracei, depois ela foi embora, indo para uma luz maior(paciente fala emocionado). (pausa). Alguém me dá os parabéns… Diz que é o meu mentor espiritual. (pausa).

– Pergunte se ele tem mais algo a lhe dizer? – Peço ao paciente.
“Ele pede para ter paciência… repete várias vezes essa palavra”.

– Pergunte ao seu mentor espiritual por que as mulheres acabam se afastando, desinteressando por você? – Peço ao paciente.
“Esclarece que vem do meu desamor, da falta de amor-próprio, e que preciso acreditar, me valorizar mais”. (pausa).

– Pergunte-lhe por que apesar de sua competência, você não é promovido, não cresce profissional e financeiramente?
“Diz que preciso primeiro aprender a valorizar mais as pessoas, depois o lado material, pois não vim nesta encarnação com o objetivo de conquistar posições.
Na verdade, vim mais com o intuito de ajudar as pessoas, o que não fiz nas vidas passadas. Diz ainda que na existência passada era uma pessoa muito rica, poderosa e, portanto, as experiências de ter posses, poder, já as tive no passado. Mas agora chegou a hora de desenvolver outra coisa”.

– Que coisa? – Pergunto ao paciente.
“A humildade, ele me responde. Como hoje não tenho poder e bens materiais, só me restou desenvolver a minha capacidade, a competência profissional. Ele fala que na vida passada, apesar de ter tido poder, status, dinheiro, nutria sentimento de inferioridade, e que essas aquisições externas apenas mascararam, disfarçaram esse sentimento.
Na vida atual, ainda trago esse sentimento, mas como não tenho essas aquisições externas, procurei desenvolver a competência profissional e trabalhar essa inferioridade. O meu mentor espiritual reafirma que hoje vim para ajudar às pessoas, e que a ajuda não é só materialmente, mas também por meio de gestos e palavras. Fala que vou diminuir o meu sentimento de inferioridade dando amor às pessoas e acreditando mais em mim.

Fala também que não concluo o que começo porque me preocupo ainda só com o lado material. Por isso, preciso dar mais carinho, atenção a quem está junto de mim. Pede para lembrar sempre que sou um ser de luz, e que isso vai clarear o meu caminho da mesma forma que fiz no início dessa sessão quando ajudei àquela mulher que prejudiquei no passado a ir para a luz, mandando a luz dourada de Cristo. Pede para confiar sempre nessa luz que tenho dentro de mim.
Explica que aquela mulher, na verdade, aceitou no astral vir hoje como minha filha, mas que a rejeitei quando levei a minha ex-esposa para fazer o aborto numa clínica médica. Com isso, contraí duas dívidas cármicas: uma já saldei ao ajudá-la ir para a luz; a segunda dívida é aceitá-la, dessa vez, caso ela venha novamente como minha filha. (pausa).

Eu pergunto ao meu mentor espiritual o que tenho que fazer para ser feliz nessa vida?
Ele me responde: – Ajude as pessoas com palavras e gestos, estendendo a mão como você fez agora com a sua filha abortada, tirando-a das trevas. Quando alguém te agredir com palavras, não faça o mesmo. O silêncio é o mesmo gesto de dar a mão e tirar as pessoas das trevas”. (pausa). Eu pergunto ao mentor espiritual por que tenho tanto medo, fobia de altura? Ele diz: – Um dia você esteve no alto, no bem, mas acabou caindo no mal, nas trevas. Hoje você tem medo de acontecer isso novamente. Você já trabalhou para a luz, esteve a serviço do bem, mas caiu, passou a trabalhar para o mal, para as trevas. Por isso, na vida atual, tem medo que as trevas te puxe novamente para o mal.(pausa). Eu lhe perguntei como posso superar esse medo? Ele só pede para eu olhar para cima e ver que o alto é mais profundo do que estar embaixo”.

– Pergunte qual o nome de seu mentor espiritual? – Peço ao paciente.
“Frei Agostinho, é o nome dele”.

– E quem foi Frei Agostinho? – Pergunto novamente ao paciente.
“Diz que é um espírito de luz que acolheu todos aqueles que se arrependeram do mal que fizeram um dia, e que sou mais um do seu rebanho”.

Anúncios