Artigo: Como você foi concebido?

Certa ocasião, uma paciente me relatou que quando grávida, sempre que seu marido se aproximava para tocar em sua barriga, o bebê ficava mais agitado do que o comum.

Neste período, ela sentia muita raiva e hostilidade dele, apesar de amá-lo e se darem muito bem. Ela não conseguia entender esses sentimentos, já que o marido não fazia nada que justificasse o aparecimento desses sentimentos.

Ao nascer, a criança chorava muito sempre quando o pai a pegava no colo e, mesmo em sua infância, os atritos e os desentendimentos entre pai e filho eram muito freqüentes. Era comum também seu filho lhe perguntar: ”Mamãe, você gosta de mim?”

A paciente achava que essa pergunta era próprio da idade. Ao passar pela regressão de memória ela recordou que na vida passada, seu namorado (marido da vida atual) a obrigou abortar a criança (seu filho da vida presente).

Essa recordação da vida passada a fez entender, portanto, o porquê de seu filho insistir em lhe perguntar se ela gostava dele, bem como sua hostilidade gratuita pelo pai, o qual já cultivava no útero dela. Veio a entender também que a raiva que ela nutria pelo marido – quando grávida – não era dela, mas, sim, de seu filho, cujo sentimento ele trouxe da vida passada por ter sido abortado.

Ao passar por essa terapia, a paciente se conscientizou que o feto, apesar de estar no útero materno, era capaz de perceber tudo o que acontecia ao seu redor. A vida dentro do útero, na verdade, é envolta em mistério, como se a natureza tivesse colocado um véu sobre a nossa consciência pré-natal ao nascermos.

Em muitos casos, é no útero materno que encontramos as raízes dos nossos comportamentos porque o feto grava todos os pensamentos e sentimentos da mãe, como se estes se referissem a ele. Neste aspecto, o feto é profundamente afetado pelos acontecimentos do período gestacional que vão moldar os padrões de seus sentimentos e comportamentos futuros.

Tudo o que acontece com a mãe neste período, pode afetá-lo em sua estrutura psicológica e emocional, pois mãe e filho estão intimamente ligados não só pelo cordão umbilical.

Quero esclarecer ao leitor(a) que não é só no período gestacional da mãe que pode afetar a estrutura psicológica e emocional do feto, mas também no momento de sua concepção, isto é, como ele é concebido, gerado.

Quando uma criança é concebida, fruto da relação sexual dos pais feita com muito amor e carinho, isso lhe sinaliza que é bem-vinda, que é amada.

Contudo, se a fecundação do ato sexual dos pais ocorre de forma muito traumática, pode gerar traumas psicológicos e emocionais no feto.

Na TRE (Terapia Regressiva Evolutiva) – A Terapia do Mentor Espiritual – Abordagem psicológica e espiritual breve criada por mim, após ter conduzido mais de 10 mil sessões de regressão memória é comum encontrar as raízes dos problemas de meus pacientes na forma como foram concebidos.

Assim, se foram concebidos, frutos de violência sexual, tais como estupro, agressão física, humilhação, maus tratos, brutalidade, perversão sexual, etc., as chances de desenvolverem problemas emocionais graves como seqüelas, são grandes.

Foto: reprodução

Anúncios

2 comentários em “Artigo: Como você foi concebido?

Os comentários estão fechados.