Artigo: Inteligência Espiritual

“O Rei mais nobre de todos os reis é aquele que é capaz de se dominar”.

Sidartha Gautama (Buda)

Na década de 70, a cultura ocidental valorizava o homem pelo seu QI (quociente de inteligência), por isso, o grande físico Albert Einstein até hoje é o ícone, modelo de inteligência humana.

Mas, na década de 80, Daniel Goleman, psicólogo norte-americano, introduziu o conceito de QE (quociente emocional) dizendo que não bastava ao ser humano ter um QI alto, privilegiado, se não sabia se relacionar, lidar com o seu emocional, se não tinha uma competência interpessoal e habilidade no trato com as pessoas. Portanto, não bastava ser um gênio, ter um QI elevado (apresentando um QE baixo), tendo assim dificuldades de interagir em grupo, com reduzido espírito de equipe.

A partir da década de 90, começou-se a falar em QE (quociente espiritual); valores como solidariedade, cooperação, responsabilidade social, consciência coletiva, ecológica, preservação do meio ambiente, do planeta, passaram a ser mais valorizados, contrapondo ao egoísmo, individualismo, vaidade excessiva, ganância desmedida, intolerância, desrespeito, competição desleal, próprios de uma cultura materialista, consumista e imediatista do mundo ocidental.

Não obstante, muitos ainda cultuam apenas o corpo, preocupando-se somente em malhar, ir a uma academia, correr, fazer musculação, negligenciando em cuidar da mente e do espírito.

Resultado: Dificuldade em lidar com as perdas afetivas, com as dores físicas, emocionais e espirituais, com as frustrações do dia-a-dia. 

Com isso, o grande desafio de muitos é como conseguir equilíbrio, paz interior num mundo conturbado, competitivo como o nosso?

Ao meu ver, a resposta está no desenvolvimento espiritual. Costumo dizer aos meus pacientes que é relativamente fácil desenvolver o intelecto, pois o meio acadêmico nos proporciona isso, através dos estudos, das faculdades, cursos de especialização, pós-graduação, MBA, mestrado, doutorado, etc.

Mas, e o desenvolvimento espiritual, a fé e a sabedoria humana?

No meu consultório, o que mais aparecem são pacientes perturbados, angustiados, depressivos, amargos, raivosos, frustrados, infelizes, perdidos por não conseguirem lidar com as vicissitudes da vida. Seguramente, aqueles que têm fé conseguem superar com mais facilidade as provações desse mundo terreno. Mas a fé que estou falando não é aquela que muitos dizem ter quando tudo vai bem em suas vidas. Estou me referindo a fé que a pessoa mantém, mesmo nos momentos de crises, nos momentos mais dolorosos de sua vida, como perda de um ente querido, doença grave, divórcio, desemprego, caminhos fechados, etc.

Ter uma fé inabalável feito rocha, onde nada atinge uma pessoa, certamente é para poucos.

Eu me curvo diante dessas pessoas, os reverencio, pois essa fé é uma conquista interna, um trabalho interior, onde muitos a conseguiram já de outras encarnações. A TRE (Terapia Regressiva Evolutiva) é sobretudo um ato de fé e de humildade, pois todo processo de autoconhecimento e cura é feito de três passos: 1º) Humildade; 2º) Não ter vergonha do que vai se descobrir nas sessões de regressão, pois como seres espirituais em evolução, certamente cometemos muitos erros no passado, em especial, em nossas vidas passadas, que hoje consideraríamos como atos atrozes, bárbaros; 3º) Coragem.

O grande mestre Jesus, profundo conhecedor da alma humana, dizia: “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus”. (Mat., V, 1-3). Cristo estava se referindo à expressão “pobres de espírito” àqueles que não são orgulhosos de espírito, ou seja, os humildes.

Neste aspecto, o orgulho constitui o maior obstáculo para aqueles que querem se aproximar de Deus e se conhecer melhor. Nesta terapia, o paciente precisa ter coragem para se despojar de seu orgulho. Por isso, para que o paciente obtenha um resultado satisfatório nesta terapia, é preciso que ele tenha também fé, humildade e um mínimo de QE (quociente espiritual) desenvolvido.

Pacientes céticos, incrédulos, cartesianos, que não têm o hábito da prece, que não tem fé ou possuem uma fé pífia, desinformado, sem o devido esclarecimento acerca da espiritualidade (plano espiritual, carma, reencarnação, programa reencarnatório, leis universais, presenças espirituais de luz e das trevas, etc.), não estão preparados para passarem por essa terapia, se comunicarem com o seu mentor espiritual para saberem a causa de seu (s) problema (s), sua resolução, bem como as aprendizagens necessárias.

Portanto, na TRE, não basta o paciente ter um bom QI, se o seu QE é baixo. Não é por acaso, que muitos mentores espirituais dos pacientes sugerem no final do tratamento que eles estudem mais, se esclareçam acerca da espiritualidade, para que possam entender melhor o que foi passado nesta terapia.

E lembrando sempre que espiritualidade nada tem a ver com religião, como explico em artigo já publico aqui no site. (LEIA AQUI O ARTIGO QUE FALA SOBRE ESSE ASSUNTO).

Anúncios