Reconciliação, a única terapêutica eficaz para se libertar da obsessão espiritual.

Após conduzir mais de 20.000 sessões de regressão de memória pela TRE (Terapia Regressiva Evolutiva) – A Terapia do Mentor Espiritual, método terapêutico de autoconhecimento e cura criado por mim em 2006, pude observar que os pacientes obsediados apresentam sintomas clínicos muito similares, tais como: 1) Sensação de peso na cabeça, nuca, ombros, ou nas costas (não é por acaso que o povo afirma que a pessoa está com “encosto”);

2) Nervosismo acentuado(irritação por motivos banais);

3) Insônia, desassossego;

4) Calafrios e arrepios constantes no corpo todo ou partes do corpo, que podem vir acompanhados de parestesia (formigamento ou dormência);

5) Desvitalização, fadiga;

6) Falta de ânimo, desmotivação, dificuldade de concentração;

7) Humor instável(alternância de humor);

8) Pensamentos negativos, pessimistas, ideias suicidas;

9) Insônia, sono agitado, pesadelos constantes;

10) Ao dormir ver um(vários) rosto(s) ou partes do rosto – um ou pares de olhos;

11) Visão de sombras humanas ou vultos escuros;

12) Odores desagradáveis no aposento, sem causa aparente.

É comum quando o paciente vem em meu consultório com esses sintomas, ou com alguns deles, já ter passado por vários tratamentos médicos, psicológicos, até mesmo espirituais, mas sem obter um resultado efetivo. Mas por quê?

Porque toda obsessão espiritual é um processo bilateral em que há sempre uma relação de cumplicidade entre o obsessor (desafeto espiritual do passado do paciente) e o obsediado (paciente).

Por isso, o obsessor espiritual não aparece por acaso na vida do paciente, mas pela vibração negativa que o mesmo emana de seus pensamentos, sentimentos e atitudes negativas, cultivados em seu cotidiano, como mágoas profundas, medos, irritação, depressão, auto-piedade, sentimento de inferioridade, etc.

Sendo assim, é fundamental que o paciente mude de hábitos e atitudes para se  fazer um trabalho de desobsessão espiritual, pois se o obsediado cultivar no seu dia-a-dia a negatividade, os medos, a revolta, o ódio, a culpa, tristeza e desesperança, por exemplo, acaba se afinando, entrando na mesma faixa vibratória de seus obsessor espiritual.

É preciso também pedir perdão de coração, reconciliar-se com o obsessor espiritual. Os leitores de meus artigos podem notar que é muito comum na TRE, o mentor espiritual (ser desencarnado de elevada evolução espiritual, responsável diretamente pelo nosso aprimoramento espiritual) do paciente orientá-lo a fazer a oração do perdão para o seu obsessor espiritual e, com isso, ajudá-lo a ir à luz.

Com a oração do perdão, o cordão energético que une o obsessor e o obsediado é rompido. Desta forma, a única terapêutica eficaz para que ambos possam se libertar definitivamente das amarras que os prendem ao passado é o amor e o perdão, a reconciliação.

São ineficazes quaisquer outras práticas, tais como: exorcismo, fórmulas, amuletos, talismãs, ou mesmo palavras sacramentais, como por exemplo: – Em nome de Deus, de Cristo, eu ordeno que se retire, saia de mim ou dessa pessoa!

 

 

 Caso Clínico:

Por que após me separar de meu marido minha vida ficou estagnada?

Mulher de 30 anos, divorciada.

A paciente veio ao meu consultório querendo entender por que sua vida estava estagnada após se separar de seu ex-marido. Sentia também muito cansada, desvitalizada, não tinha motivação para nada, além de ter também fobia de lugares fechados (claustrofobia), como metrô, ônibus, elevadores. Nesses lugares, sentia muita falta de ar.

Após passar por algumas sessões de regressão de memória, na última sessão, assim me relatou:

Terapeuta: – Atravesse o portão (recurso técnico que sempre utilizo nessa terapia, que funciona como um portal que separa o mundo terreno do mundo espiritual, o passado do presente) e observe o que lhe vem?

Paciente: – Antes de descer a escada (outro recurso que utilizo também nessa terapia para aprofundar o relaxamento do paciente), estava ardendo a minha cintura do lado esquerdo. Depois que desci a escada tinha um par de olhos escuros (ser espiritual obsessor).

Terapeuta: – Pergunte quem é esse ser espiritual?

Paciente: – Aparece um monte de coisas, não sei se é uma imagem ou flash. É tudo muito confuso, não consigo captar nada.

Terapeuta: – Pergunte para esse ser espiritual o que você fez para ele no passado?

Paciente: – Não vem nada. Aquela queimação do meu lado esquerdo parou, mas sinto um pouco tenso. (Fizemos juntos a oração do perdão para esse ser espiritual das trevas).

Terapeuta: – Veja se vem algo na mente, sensação física, imagem ou impressão?

Paciente: – Continua tenso o ombro esquerdo, dói bastante, está dolorido… Vi agora uma criança no útero, parecia que ia se formar, era um feto grande. Quando estava irradiando a luz parecia que esse feto era um menino. Veio à mente o aborto que pratiquei. (pausa).

Terapeuta:- Pergunte para esse menino, ser espiritual, se ele tem algo a lhe dizer?

Paciente: – Ele é birrento, não quer falar, está bravo, cruzou os braços.

Terapeuta: – Fale que se ele pedir ajuda para os seres amparadores de luz, ele vai ter muito amor, apoio, e que se for da vontade de Deus, ele pode vir novamente como seu filho, e que você vai recebê-lo desta vez com amor e carinho.

Paciente: – Ele ficou feliz com o que falei, e sorriu.

Terapeuta: – Fale para ele agora pedir ajuda aos seres de luz.

Paciente: – Alguém está guiando-o, levando-o. Parece que é um senhor de barba branca. (pausa).

Terapeuta: – Veja se vem mais algo?

Paciente: – Parece que agora está clareando na minha frente.

Terapeuta: – Pergunte em pensamento para seu mentor espiritual se ele tem algo a lhe dizer?

Paciente: – O meu mentor espiritual é esse senhor de barba branca, ele diz que está feliz, que estou no caminho certo, que a minha vida vai ser esclarecida, que os meus caminhos vão se abrir. Pede para ter paciência e calma, que virá tudo de acordo com o meu merecimento, mas que ele está feliz por eu ter chegado até esse consultório.

Terapeuta: – Pergunte por que após a separação com seu marido sua vida não evolui?

Paciente: – Diz que de alguma forma teve a interferência da família de meu ex-marido, pois eles mexem com umbanda. Mas que não vai entrar em detalhes, pois está impedido de dizer mais coisas. Ele está triste e pensativo… .

Terapeuta: – E de onde vem seu cansaço físico, desvitalização?

Paciente: – Diz que vai melhorar. Revela que aquela criança que abortei era um dos meus obsessores espirituais, que estava sugando a minha energia.

Terapeuta: – E de onde vem sua fobia de lugares fechados, falta de ar?

Paciente: – Diz que vem dos meus obsessores espirituais. Por isso, ele pede paciência e calma, e fazer sempre a oração do perdão para eles.

Terapeuta: – Pergunte se ele tem mais algo a lhe dizer?

Paciente: – Ele está muito emocionado e feliz. Ele novamente pede para ter paciência… Está se despedindo, reitera mais uma vez para que eu faça a oração do perdão para os meus obsessores espirituais, que desta forma todos irão para a luz.

 

 

 

Anúncios

Um comentário em “Reconciliação, a única terapêutica eficaz para se libertar da obsessão espiritual.

  1. Oi Dr. Oswaldo, estou adorando seu blog! Já faz alguns anos que acompanho seus artigos em vários sites e sempre aprendo muito com eles.
    Tenho muita vontade de fazer TVP, mas no momento não tenho condições financeiras porque estou desempregada há bastante tempo.
    Eu me identifiquei bastante com o tema do post (vida estagnada). Sinto que a minha vida está assim há quase 5 anos. Além de não conseguir emprego na minha área (jornalismo), estou na fila da adoção há dois anos. Estou prestando concursos públicos, mas até agora não passei em nenhum. Sinto como se tudo estivesse emperrado e não sei quando vou sair disso.
    Será que o Sr. poderia escrever algo sobre adoção (se pode estar relacionada a compromissos cármicos)? Eu e o meu marido não podemos ter filhos (até fizemos duas tentativas de fertilização que não deram certo). Mas por estranho que pareça, eu não me importo com o fato de não engravidar. Pra falar a verdade, eu sinto até medo que isso aconteça e eu tenha uma criança com Down, pois já estou com 37 anos. Por outro lado, estou ansiosíssima para adotar, mas a fila é grande e as leis são muito burocráticas.
    Mesmo assim, sinto um grande desejo em adotar uma menina, já que o meu maior sonho sempre foi ter uma filha. Isso poderia estar relacionado a algum compromisso cármico?
    Desde já agradeço pela resposta.

    Curtir

Os comentários estão fechados.