Novos rumos à terapia

A TRE (Terapia Regressiva Evolutiva) – A Terapia do Mentor Espiritual – Abordagem psico-espiritual, busca agregar a ciência psicológica com a espiritualidade e, com isso, amplia enormemente a visão do paciente no seu modo de ver a vida e seus problemas, o que não ocorre com os enfoques tradicionais de psicoterapia que só trabalham com o limitado espaço de tempo entre o início e o fim dessa vida, desconsiderando a tese da reencarnação e, por conseguinte, a natureza espiritual do ser humano.

Sendo assim, os enfoques tradicionais de terapia ainda não reconhecem a TRE por acharem equivocadamente que os temas: reencarnação, plano espiritual, mentor espiritual e obsessor espiritual são assuntos de “caráter religioso” e, portanto, não científico. Quero informar que esses assuntos não são necessariamente de caráter religioso e, sim, de pesquisa científica desde 1950, aonde a reencarnação vem sendo estudado dentro de uma metodologia científica.

Dr. Ian Stevenson, por exemplo, renomado psiquiatra norte-americano, Diretor do Departamento de Psiquiatria e Neurologia da Escola de Medicina da Universidade de Virgínia e sua equipe, pesquisaram mais de 3000 crianças em várias partes do mundo e selecionaram 20 crianças que recordavam espontaneamente suas vidas passadas. Assim, publicou o livro “20 Casos Sugestivos de Reencarnação”, que é mais um tratado científico do que um livro destinado ao público leigo.

Por conta do desconhecimento, preconceito, despreparo de nossa cultura ocidental em aceitar a natureza espiritual do ser humano, a TRE por ser uma terapia ainda nova, desenvolvida por mim em 2006, tem gerado em muitas pessoas dúvidas, temores infundados com relação à sua aplicação terapêutica, objetivo, e mesmo confusão, pois muitos acham que essa terapia é religiosa ou espírita.

Mas por que essa confusão?

Porque na TRE os pacientes conversam com os seus respectivos mentores espirituais (seres desencarnados, de elevada evolução espiritual responsáveis diretamente pelo nosso aprimoramento espiritual) e recebem suas sábias orientações acerca da causa e resolução de seus problemas, bem como os aprendizados necessários à sua evolução espiritual.

Ora, conversar com os espíritos não é privilégio exclusivo dos religiosos ou dos espíritas. Os índios, por exemplo, através de seus rituais entram em contato com os espíritos. Se você tomar o chá ayahuasca (na linguagem quécha, aya significa espírito ou ancestral, e huasca significa vinho ou chá) vai ter experiências extrafísicas interessantes (desdobramento, regressão às vidas passadas, contato com parentes desencarnados, anjos, mentores espirituais, progressão de memória, etc.) e, muitas vezes, curas de fobias, síndrome do pânico, depressão, ansiedade generalizada, vícios, etc.

Ressalto que esse chá não é alucinógeno como muitos ainda acreditam, pois após 18 anos de estudos, o Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas do Brasil retirou em 23 de novembro de 2006 a Ayahuasca da lista de drogas alucinógenas definitivamente.

Quero esclarecer também aos leitores que a regressão de memória não é o fim em si dessa terapia, a TRE, mas um meio, um instrumento de autoconhecimento e cura.

Na verdade, o fim em si dessa terapia é ajudar o paciente não só a encontrar a causa e resolução de seus problemas, mas, principalmente, a se tornar um ser humano melhor.

Sendo assim, a regressão de memória como instrumento de autoconhecimento e cura ajuda o paciente a buscar a origem de seus traumas (bloqueios psico-espirituais) para que se desvincule, desligue deles definitivamente, bem como tirar lições de como era em outras vidas, isto é, traços de personalidades negativos e, com isso, verificar se vem evoluindo muito, pouco, ou mantendo, repetindo as mesmas inclinações, tendências negativas de personalidade e erros oriundos de vidas passadas.

Caso Clínico: Desagregação familiar

Mulher de 25 anos, solteira.

Veio ao meu consultório querendo entender por que foi criada num ambiente familiar onde seu pai era alcoólatra e, com isso, a violência e o desamor prevaleceram no seio familiar.

Queria entender também por que sua mãe cometera suicídio (ela se enforcou no banheiro) e, com a morte dela, a família se desagregou de vez, os irmãos se mostravam materialistas, pensando só no dinheiro, nas vantagens financeiras.

Por último, queria entender por que sua vida estava bloqueada e qual era o seu verdadeiro caminho profissional, espiritual e sua missão de vida.

Após ter passado por quatro sessões de regressão, na 5ª e última sessão, ela me relatou: “Sinto uma brisa, um ventinho bem suave, agradável aqui no consultório (normalmente quando o paciente sente uma brisa suave e agradável no consultório é sempre a presença de um ser espiritual de luz; o contrário, isto é, quando sente calafrios, vento gelado, desagradável, é a presença de um ser espiritual das trevas, um obsessor espiritual).

– Pede para esse ser de luz de identificar – Peço à paciente.

“Diz que é o meu mentor espiritual. Revela que na encarnação anterior à atual deixei um rastro de muitas dores e sofrimentos por estar cumprindo ordens”.

– De quem? – Pergunto à paciente.

“De um general, pois eu era oficial, e a minha função era esvaziar os lugares onde as tropas de meu país iriam ocupar. Com isso, destruí muitas famílias, vidas”.

– Quando ocorreu essa guerra?

“Foi na 2ª guerra mundial e eu era um oficial nazista”.

– Pergunte ao seu mentor espiritual por que na vida atual você foi criada num ambiente familiar de violência e desamor?

“Diz que foi um aprendizado para eu vivenciar, sentir na pele o que causei na guerra”.

– E que lição você precisou extrair dessa experiência familiar?

“Valorizar a vida do ser humano , o amor e o respeito”.

– Por que sua mãe cometeu suicídio se enforcando no banheiro?

“Muitas cobranças que ela vinha sofrendo, mas diz que não vai entrar mais em detalhes por que isso não vai ser benéfico, útil a mim”.

– Pergunte se ele pode lhe informar onde está a sua mãe falecida?

“Diz que não pode me informar, mas que ela irá reencarnar novamente”.

– Pergunte-lhe por que seus irmãos só pensam no aspecto financeiro após a morte de sua mãe?

“Fala que a carência afetiva, a ausência dela fez com que eles buscassem preencher essa lacuna com bens materiais. Diz que eles sentem um vazio interior grande. Fala que preciso perdoá-los e seguir o meu caminho”.

– Pergunte-lhe qual o seu verdadeiro caminho profissional e espiritual?

“Revela que é trabalhar auxiliando pessoas, ajudando-as”.

– Que tipo de ajuda?

“Diz que é ajudá-las a superar seus traumas”.

– E o seu verdadeiro caminho espiritual?

“Diz que não preciso seguir nenhuma religião ou doutrina. Posso frequentar se tiver vontade alguma religião, mas não seguir especificamente uma, pois já tenho conhecimento suficiente sobre a espiritualidade”.

– Por que sua vida está bloqueada?

“Explica que muitas vezes é preciso fechar todas as portas para que a gente possa enxergar”.

– O quê?

“A nossa luz que buscamos que é a iluminação espiritual”.

– Qual é o seu verdadeiro propósito de vida, sua missão?

“É reparar os traumas que causei às pessoas na guerra para eu poder ter a chance de viver e encontrar o que busco profissional, financeira e afetivamente.

“Esclarece que todas as portas foram fechadas para que possam ser abertas novamente (nem sempre são os obsessores espirituais que fecham, boicotam as nossas vidas, mas também os seres superiores de luz para que possamos aprender, crescer)”.

– Você quer fazer uma última pergunta ao seu mentor espiritual?

“Quero saber se vou encontrar o meu verdadeiro companheiro?

Diz que sim, e que vai ser um colega de trabalho. (pausa).

Finaliza dizendo sobre o meu verdadeiro caminho profissional, sugere que eu faça com o senhor o curso de formação de terapeuta em TRE, pois como terapeuta vou me sentir mais livre porque essa terapia não está ligada a nenhuma religião.

Ele agradece ao senhor pela oportunidade que teve nessa terapia de me esclarecer acerca de minha vida porque esse era o momento”.

Anúncios