Benefícios da Terapia Regressiva Evolutiva

Muitas pessoas me perguntam via e-mail se todas as pessoas podem se submeter à TRE (Terapia Regressiva Evolutiva) – A Terapia do Mentor Espiritual- método terapêutico de autoconhecimento e cura criado por mim em 2006.
Quero esclarecer nesse artigo que a regressão de memória como instrumento terapêutico tem suas indicações, contraindicações e limitações.
De um modo geral, a TRE é bastante indicada em casos de distúrbios psíquicos, psicossomáticos, orgânicos (doenças cuja causa não foi constada pela medicina oficial) e de relacionamento interpessoal.
Gostaria de especificar mais detalhadamente suas indicações.

Indicações:

 

– Todos os tipos de fobias, ou seja, todos os tipos de medos intensos como: medo de lugares fechados (metrô, elevador, dirigir em túneis); medo de altura; de falar em público; medo excessivo de contrair doenças incuráveis como o câncer e a AIDS; medo da solidão pelo fato de ter sofrido sucessivas decepções amorosas;
– Problemas de relacionamento familiar, conjugal, social e no trabalho (aqueles relacionamentos difíceis, dolorosos, truncados entre pais e filhos, irmãos, marido e mulher, figuras de autoridade – chefes e/ou colegas de trabalho);
– Problemas sexuais (impotência, ejaculação precoce, anorgasmia – falta de orgasmo, perda da libido – diminuição ou ausência de desejo sexual, etc.);
– Transtornos de ansiedade (síndrome do pânico, ansiedade generalizada, tiques nervosos);
– Transtornos de humor (depressão, angústia, instabilidade de humor);
– Medo excessivo da morte;
– Doenças psicossomáticas – doenças orgânicas de origem emocional como: Alergias, vitiligo, psoríase, ictiose, asmas, enxaquecas, dores, etc.;
– Dificuldades financeiras e profissionais decorrentes de bloqueios emocionais e interferência de seres extrafísicos (obsessores espirituais).

 

Contraindicações:

 

– Deficientes mentais e auditivos (relação terapeuta-paciente se torna dificultosa no processo de comunicação);
– Distúrbios psiquiátricos graves (pacientes psicóticos e pré-psicóticos – podem levar o paciente ao surto psicótico).

 

Limitações:

– Pacientes excessivamente céticos, incrédulos em relação à regressão e a reencarnação (não é recomendável, pois vão bloquear, não permitem se entregar no processo regressivo). Fica evidente, neste caso, que uma pessoa de mente fechada é incapaz de revivenciar experiências de seu passado, principalmente de suas vidas passadas. Daí a importância do paciente querer efetivamente passar por este tipo de terapia;

 

Caso Clínico:
Transtorno Obsessivo Compulsivo (T.O.C)
Mulher de 25 anos, solteira.

 

Veio ao meu consultório por conta de inúmeros problemas de ordem emocional e orgânica.
Quando ficava tensa, apresentava comportamentos obsessivos, repetitivos, rituais obsessivos tais como: contar números (e o resultado sempre tinha que ser par). Contava nos dedos de uma mão e, em seguida, em outra mão; tinha a necessidade de contar, conferir quantas lajotas tinha o piso dos banheiros e a cozinha de sua casa.

Veio a saber que sofria de T.O.C (Transtorno Obsessivo Compulsivo) com um neurologista. Em verdade, percebeu que desde os 9 anos de idade apresentava esses rituais obsessivos. Outra manifestação de T.O.C era se certificar várias vezes que a porta estava fechada. Geralmente se levantava três vezes à noite para conferir se tinha fechado as portas de sua casa.
Após receber a notícia da morte de seu pai, começou a limpar compulsivamente sua casa, a fazer faxina feito “louca”, a soluçar bem alto, mas sem cair uma lágrima. Foi parar no pronto-socorro e o médico disse à família que a paciente estava em estado de choque.
Apresentava também doenças de pele (vitiligo e psoríase), problemas sexuais (dores no ato sexual e dificuldade de atingir orgasmo) e pensamentos negativos obsessivos como: vir a morrer, ficar doente, de lhe acontecer um infortúnio ou algo ruim.
Sentia dores no corpo, principalmente no peito, angústia, depressão desde criança e uma tristeza profunda. A paciente me relatou também que sonhava com um espírito desfigurado – ser das trevas – que queria fazer sexo e ela lutava com ele para que isso não ocorresse.
Ao regredir, ela me relatou: “ Dr. Osvaldo, tem alguém segurando os meus ombros, impedindo-me de atravessar o portão para eu saber a causa verdadeira de meus problemas (o portão é um artifício que uso que funciona como um “portal” que separa o passado do presente e após a indução hipnótica peço ao paciente que atravesse esse portão para que ele volte ao se passado e traga suas recordações de experiências traumáticas que originaram o seu problema).

Ele (ser espiritual obsessor) não quer me deixar atravessar esse portão. Diz que não quer que eu descubra o meu passado”.

– Pergunte-lhe por que ele não quer? – Peço à paciente.
” Diz para não mexer nessas coisas, pois se eu descobrir o meu passado vou perder os meus medos e não terei mais medo dele também. Ele quer ter o meu controle, me dominar. Ele diz que foi meu pai de uma vida passada (pausa). Vejo-o agora entre dois espíritos de luz que conversam com ele. Estão tentando convencê-lo a ir embora com eles para a luz. Mas ele esbraveja, não quer ir. Um dos espíritos de luz diz que ele está fraco e que precisa de ajuda, de ser cuidado, mas ele resiste. O outro ser de luz o faz agora dormir”.

– Veja o que acontece com ele? – pergunto à paciente.
” Os espíritos de luz me dizem que vão levá-lo ao plano de luz para tratamento, pois ele está muito cansado. Agora, eles estão pegando-o pelos braços e saem flutuando em direção a uma luz”.

– Peço então à paciente que atravesse aquele portão e dê um salto no tempo e vá à época onde esteja a causa verdadeira de seus problemas.
” Vejo uma casa de madeira, têm árvores e um campo… É uma vida passada. Sou criança, devo ter uns oito anos, uso um vestido até os joelhos. Sou bonita, meus cabelos são compridos, uso um laço no cabelo”. (pausa)

– Você mora com quem? – pergunto-lhe.
” Moro com os meus pais. Vejo minha mãe, ela é bonita, magra, usa uma roupa longa, apertada na cintura. O meu pai não está em casa. Gosto de ficar olhando para minha mãe”.

– Prossiga nessa cena – peço-lhe.
” Ela fica olhando para mim, parece que está preocupada. Ela está triste. Ela me abraça e diz que vai embora. Peço-lhe para não ir. Ela se ajeita, segura a minha mão, me leva até a porta e me mostra a estrada de terra e me diz algo que eu não entendo” (pausa).

– Avance mais para frente nessa cena – peço-lhe.
” A casa está vazia. Estou perto da escada. Eu quero a minha mãe, eu a quero de volta”. (começa a chorar).

– O que aconteceu com a sua mãe? – pergunto-lhe.
” Ela foi embora. Vejo-a na estrada com duas malas nas mãos. Minha mãe foi embora, antes que o me pai voltasse para casa. Ele tinha ido até a cidade. A casa está vazia, eu fico sozinha” (chora copiosamente).

E o seu pai? – Pergunto-lhe.
” Ele não chega. Agora, anoitece, estou sozinha. Eu olho pela janela, está escuro, não vejo nada lá fora. A casa está às escuras também, tenho medo de bicho. Eu fico na escuridão” (pausa).

– Avance mais para frente nessa cena e veja o que aconteceu com você?
” Vejo agora o meu pai. É aquele homem que não queria que eu atravessasse o portão no início da regressão. Ele é branco e usa bigode. Agora estou com 18 anos, ele mostra a estrada de terra. Ele me lembra quando minha mãe foi embora. Meu pai tem raiva dela e desconta a sua raiva em mim. Ele me trata como se eu fosse a minha mãe. Eu não posso chamá-lo de pai. Eu tenho raiva dele, ele me machuca, me faz mulher dele. Eu não gosto disso. Ele não quer que eu vá à cidade. Ele me esconde das pessoas. Eu não uso sapato, ele não deixa porque senão eu vou para longe. Ele construiu uma casa de pedra que fica bem isolada no campo, mas continua morando na casa onde morávamos. Eu fico na casa de pedra, não vejo ninguém. Ele só vem nessa casa para me trazer comida. Eu sinto muita solidão, tenho medo de sair, não conheço nada. A cidade é bem longe” (pausa).

– Avance bem mais para frente nessa cena, anos depois – peço-lhe.
” O meu pai agora está mais velho, deve ter uns 65 anos. Ele tem pouco cabelo, usa um chapéu branco, bigode grisalho. Ele vem me visitar no sanatório. Estou com uma camisa de força”.

– O que aconteceu para você parar no sanatório? – Pergunto-lhe.
” Eu não sou louca. Ele me colocou num hospital para obedecê-lo”.

– Mas por que a camisa de força? – Pergunto-lhe.
” Ele disse que eu estava louca porque tive uma crise. Eu me revoltei, bati muito no rosto dele. Eu queria que ele me deixasse em paz. Aí ele falou para o médico que eu estava louca. Ele me levou à força para o hospital, cheguei lá gritando para o médico que eu não era louca. Sou branca, meu rosto é bonito, devo ter por volta de 25 anos; sou muito parecida com a minha mãe”.

– Você nunca mais viu sua mãe? – pergunto-lhe.
” Nunca mais. Meu pai era muito violento com ela”.

– O que aconteceu para a sua mãe não levá-la junto? – Pergunto-lhe.
” Eu ia atrasá-la caso me levasse junto. Ela achava que não iria conseguir fugir de meu pai se me levasse”.

– Avance mais para frente nessa cena – peço-lhe.
” Acho que eu consegui fugir do sanatório. Ao anoitecer, fugi e fui para a floresta. Estou escondida no mato. Mas eu fui encontrada. Estou abaixada e sinto alguém se aproximando. Olho para cima e sei que fui descoberta. A pessoa me pega e me puxa”.

– Quem te puxou pela roupa? – pergunto-lhe.
” É o meu pai. O olhar dele é de ódio. Ele está a cavalo, começa a me espancar e me leva à casa de pedra. Entra comigo e fala para eu vestir a roupa de minha mãe. É uma roupa longa, preta. Ele me obriga a deitar na cama e amarra as minhas mãos e pernas por cima do vestido. O meu corpo está todo ferido e ensanguentado devido ao espancamento que sofri. Ele fala: “Agora você não foge mais”. Eu sinto frio, a temperatura do meu corpo cai. Vejo os meus pés, eles estão ficando roxos. Estou perdendo as forças, sinto muito tremor no corpo. Estou sozinha agora, ele foi embora (pausa). Vejo agora um homem de túnica, chega e senta ao meu lado. Estou tremendo muito. Olho para ele e sinto uma bondade muito grande no rosto dele. Ele veio me ajudar”.

– Quem é esse homem? – pergunto-lhe.
” É o meu mentor espiritual. Estou sentindo muito frio, tremo muito (pausa). Vejo agora uma luz amarela sair do meu estômago. Acho que é a minha alma, ela sai pelo meu abdômen. Mas ela demora a sair. Por isso ele fica comigo para me auxiliar. Sinto muito medo, não quero sair do meu corpo físico. Ele fala para eu não ter medo. Diz para eu sair do meu corpo, para eu não ter medo que ele está ali para me pegar. Quando a minha alma sai, ele me pega no colo. Fico como se eu fosse um bebê (paciente chora intensamente). Sinto-me segura e acabei dormindo no colo dele (pausa). Agora, ele se levanta me carregando, caminha e atravessa a porta e o ambiente fica todo iluminado.

– Pergunte para o seu mentor de onde vem o seu T.O.C.? – peço – lhe.
” Diz que vem dessa vida passada porque o espírito do meu pai veio junto comigo na vida atual. A presença de meu pai em espírito me fez trazer esta doença. Ele diz que o T.O.C é uma espécie de tique nervoso que trago dessa existência passada porque eu era muito sozinha, vivia presa naquela casa. Vivia contando os tijolos das paredes. Verificava também várias vezes se a porta estava trancada para o meu pai não entrar no meu quarto. Eu me sentia suja por causa dos abusos sexuais que sofri do meu pai. Mas ele diz para eu ter calma, porque eu achei um caminho que é bom para mim”.

– Que caminho? – Pergunto à paciente.
” Ele está se referindo à TRE (Terapia Regressiva Evolutiva).

Diz que essa regressão está sendo boa para mim porque eu precisava mexer nas coisas do passado para entender a causa dos meus problemas”.

– Pergunte-lhe de onde vem essa mania de limpeza? – Peço-lhe.

“Diz que vem dessa relação incestuosa com o meu pai nessa vida passada. Eu trago à vida atual a crença de que sou suja pelos abusos sexuais que sofri e então tenho necessidade de limpar tudo que está ao meu redor. Diz ainda que todas as manifestações do T.O.C vem dessa existência passada”.

Após passar por mais 8 sessões de regressão, a paciente me disse que estava se sentindo muito bem, mais solta, mais leve. Não sentia mais aquela tristeza profunda, depressão. Disse que o seu sono estava mais tranquilo. Antes, acordava de madrugada assustada e, pela manhã, despertava cansada, irritada e depressiva. Hoje, acordava bem disposta. Disse ainda que os pensamentos negativos destrutivos tinham ido embora. O vitiligo estacionou e a psoríase melhorou bastante, bem como os seus rituais obsessivos de contar números, lajotas e sua mania de limpeza. Seu mentor espiritual lhe esclareceu também que o vitiligo e a psoríase, como doenças de pele, ela trouxe na existência atual devido às feridas internas (mágoas, humilhações, culpa) e externas (agressões físicas) provocadas pelo pai ao morrer por espancamento naquela existência passada.

Anúncios